domingo, 10 de janeiro de 2010

As obras

Acontece a todos nós, ou pelo menos àqueles mais atentos, ficarmos indignados com determinadas obras. Muitas das vezes não pela necessidade de as fazer mas sim do modo e na oportunidade de como a mesmas são realizadas.
A primeira coisa para a qual quero chamar a atenção tem a ver com a falta de respeito que se demonstra por parte dos executores das mesmas obras, para com os utilizadores dos espaços em obras ou mesmo com os espaços circundantes. É normal ver uma passeio desventrado, por causa de uma obra qualquer necessária, mas que quem abriu ou mandou abrir o buraco, não tem a mínima preocupação com os utilizadores dos referidos passeios. Muitas das vezes um bocadinho de mais arrumação nas terras que saíram de dentro do buraco e as pessoas que tem falta de mobilidade e até mesmo aquelas que se movem bem mas empurram um carrinho de bebe, conseguiriam evitar ter que "arriscar a vida" na estrada, continuando a usar o referido passeio.
É também normal que as valas nos passeios estejam abertas por tempos intermináveis, a falta de organização com que estes trabalhos são executados origina a que um numero indetermina do de pessoas tenha transtornos imensos porque uma coisa que poderia ser feita em dois dias leva duas semanas para ser feita, e mais grave ainda, quantas vezes não acontece que se abra um buraco, passado algum tempo alguém o feche, passado menos tempo ainda alguém o volte a abrir novamente!
Esta situação é corriqueira no nosso país, e em minha opinião tem a ver com a falta de respeito que temos todos uns pelos outros, se assim não fosse, alguém a quem cabe dirigir este tipo de obras se iria lembrar que abreviando a execução das mesmas, as pessoas iriam sofrer menos um bocadinho, iriam ter menos transtornos, iriam ter menos uma coisa a dificultar-lhes a vida.
Outro dos locais onde as obras metem em pé os cabelos à malta é nas auto-estradas.
Primeiro porque muito antes, este muito por vezes que dizer meses (muitos), se condiciona a transito no percurso que vai sofrer as ditas obras. Quem utiliza a A1 ou a A2 sabe do que falo. Se tem que se alargar pontes e viadutos, e esses são os trabalhos mais demorados, porque é que se começam com as terraplanagens ao lado das vias? Depois está tudo pronto para levar o alcatrão e as pontes e viadutos ainda a meio, entretanto vem uma chuvada e o trabalho que foi feito antecipadamente, lá foi por agua a baixo. Alem disso há outra questão, com a qual ninguém se parece importar mas que em minha opinião deveria ser uma questão a rever por que dirige o nosso país, pois é uma ilegalidade. Não é normal que eu seja obrigado a pagar um serviço que não me é prestado ou me é indevidamente prestado, já repararam que por exemplo que agora estamos a pagar a utilização de vinte kilometros da A2 nos quais a velocidade permitida e as condições de segurança são menores do que as que temos gratuitas se utilizarmos a estrada N10, que é a alternativa para o percurso em obras!
Quem administra esta auto-estrada ou as outras, joga com o nosso comodismo e com a nossa tradição de povo pacato, ninguém vai sair da auto-estrada para depois voltar a entrar, não somos suficientemente solidários e reevindicativos para levartamos a vós a mais este roubo que atinge os bolsos de quem por qualquer razão é o utilizador de uma obra que já tinha sido paga por nós!
Pagamos de varias formas, mas pagamos sempre muito!

Sem comentários:

Publicar um comentário